Futuro da memória digital audiovisual

o papel dos arquivos, bibliotecas e museus

  • Adriana Cox Hollós
  • Vivian Fava Paternot
Palavras-chave: Preservação Digital. Gerenciamento de Riscos. Amnésia digital.

Resumo

Este artigo destaca a importância da preservação digital de conteúdos publicados em sites, aplicativos de música e redes sociais como Facebook, Instagram, Twitter, YouTube, Deezer e Google Arts and Culture, dentre outros. Aponta a pandemia por COVID-19 e o isolamento social imposto como responsáveis pelas mudanças estratégicas na comunicação entre instituições de cultura e seu público nos setores culturais. Reflete sobre o papel dos arquivos, bibliotecas e museus à salvaguarda desse patrimônio digital, seus limites e desafios. Identifica o Museu da Imagem e do Som – MIS/RJ como ator político responsável pela salvaguarda dessa parte importante da memória audiovisual brasileira, que ora vem sendo constituída nas redes. Apresenta a metodologia de gerenciamento de riscos como meio de enfrentamento da amnésia digital decorrente da perda de valor do patrimônio digital da sociedade.

Referências

ANDRADE, J.P.M. Contingência de risco: uma questão de segurança em prevenção digital. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Pernambuco, 2018. Disponível em: http://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/30625. Acesso em: 30 ago. 2020.

BRASIL. Decreto n° 3551 de 4 de agosto de 2000. Institui o Registro de Natureza Imaterial que constituem patrimônio cultural brasileiro, cria o Programa Nacional do Patrimônio Imaterial e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d3551.htm. Acesso em: 30 ago. 2020

DIAZ, Grettel et al. Requisitos para a valoração de riscos de preservação em repositórios digitais. Cuba: Universidad de la Habana, 2019. Disponível em: http://biblios.pitt.edu/ojs/index.php/biblios/article/view/484. Acesso em: 30 ago. 2020.

DODEBEI, Vera. Patrimônio e memória digital. Revista Morpheus - Estudos Interdisciplinares em Memória Social, Rio de Janeiro, v. 5, n. 8, 2015. Disponível em: http://www.seer.unirio.br/index.php/morpheus/article/view/4759. Acesso em: 30 ago. 2020.

GALINDO, Marcos. O dilema do Pharmacon. Ciência da Informação, Brasília, DF, v. 41, n. 1, 2012. Disponível em: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/13880. Acesso em: 16 mai 2020.

NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História: Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados de História, São Paulo, v. 10, 2012. Disponível em: http://revistas.pucsp.br/revph/article/view/12101. Acesso em: 30 ago. 2020.

OWENS, Trevor. The theory and craft of digital preservation. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 2018.

PEDERSOLI, José L. Guia de gestão de riscos para patrimônio museológico. ICCROM/ ICC. Canadá, 2016. Disponível em: http://www.iccrom.org/publication/guia-de-gestao-de-riscos-para-o-patrimonio-museologico. Acesso em: 8 jul. 2020.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. Revista Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, 1989. Disponível em: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/vi
ew/2278/1417. Acesso em: 30 ago. 2020.

ZIERAU, Eld et al. Cooperação interinstitucional num repositório de bits compartilhado. Tradução Miguel Rio Branco Nabuco de Gouvêa. Disponível em: https://cridi.ici.ufba.br/institucional/arquivos/artigos/artigo-sobre-o-compartilhamento-de-repositorios-de-bits-em-cooperacao-internacional.pdf. Acesso em: 5 set. 2018.
Publicado
26-11-2020
Como Citar
HOLLÓS, A.; PATERNOT, V. Futuro da memória digital audiovisual. REVISTA ELETRÔNICA DA ABDF, v. 4, n. Especial, p. 270-286, 26 nov. 2020.