Biblioteca Universitária inserida em contexto hospitalar

um panorama a partir dos níveis de invólucros do gerenciamento de riscos

  • Mariana Gonçalves Dias
Palavras-chave: Gerenciamento de Riscos. Conservação Preventiva. Acervos Bibliográficos. Biblioteca Setorial da Escola de Medicina e Cirurgia. UNIRIO.

Resumo

Trata sobre o gerenciamento de riscos tendo como propósito intervir preventivamente com relação a ações que possam causar danos ao patrimônio bibliográfico. Neste sentido, a pesquisa objetiva apresentar um panorama sobre os riscos presentes na Biblioteca Setorial da Escola de Medicina e Cirurgia da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, determinar a situação do contexto interno e externo da Instituição e analisar os riscos existentes. Discorre sobre a relação entre conservação preventiva e gerenciamento de riscos, apresentando o processo de gestão de riscos e sua importância em bibliotecas universitárias. Partindo deste fundamento e de observações realizadas em visitas à Biblioteca Setorial, foi possível apresentar um panorama de sua situação no que diz respeito aos riscos encontrados, levando em consideração os seis níveis de invólucro. Concluiu-se que o acervo precisa ser monitorado constantemente utilizando o gerenciamento de riscos, a fim de garantir a longevidade do acervo e a saúde dos profissionais que ali atuam.

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR ISO 31000: Gestão de riscos: princípios e diretrizes, Rio de Janeiro, 2009. 24 p.

BENEDUZI, Andréa Campello. Bibliotecas especiais: a biblioteca hospitalar como um repositório de saúde e bem-estar ao alcance do paciente. Monografia (bacharelado) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação, Porto Alegre, 2004. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/18721/000457501.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 16 jul. 2020.

BIBLIOTECA pública: administração, organização, serviços. Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional, Departamento Nacional do Livro, 1995.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Ciência e Tecnologia. Classificação de risco dos agentes biológicos. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2006. 36 p. Disponível em: http://www.fiocruz.br/biosseguranca/Bis/manuais/classificacaoderiscodosagentesbiologicos.pdf . Acesso em: 7 abr. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Complexo Industrial e Inovação em Saúde. Classificação de riscos dos agentes biológicos. 3. ed. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2017. 48p. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/classificacao_risco_agentes_biologicos_3ed.pdf. Acesso em: 7 abr. 2020.

CASSARES, Norma Cianflone. Como fazer conservação preventiva em arquivos e bibliotecas. São Paulo: Arquivo do Estado e Impressa Oficial, 2000. Disponível em: https://goo.gl/HCHgGB. Acesso em: 10 abr. 2020.

GUICHEN, Gäel de. Conservación preventiva: ¿en qué punto nos encontramos en 2013¿. Revista de Conservación del Patrimonio Cultural. Conservación preventiva: revisión de una disciplina. Madrid: Ministerio de Educación, Cultura e Deporte, n. 7, p. 15-24, 2013. Disponível em: https://sede.educacion.gob.es/publiventa/descarga.action?f_codigo_agc=14392C_19. Acesso em: 14 jun. 2020.

GUICHEN, G. de. La Conservation préventive: un changement profond de mentalité. En Cahiers d’étude, ICOM-CC, 1995. Diponível em: http://archives.icom.museum/study_series_pdf/1_ICOM-CC.pdf. Acesso: 14 jun. 2020.

GUINCHEN, Gaël de. Medio siglo de Conservación Preventiva. Entrevista realizada por el Comité Científico Técnico del GEIIC (Marisa Gómez y Benoît de Tapol). GeConservación, 2009. Disponívem em: https://ge-iic.com/ojs/index.php/revista/article/view/62. Acesso em: 14 jun. 2020.

HOLLÓS, Adriana Cox; PEDERSOLI JR., José Luiz. Gerenciamento de riscos: uma abordagem interdisciplinar. Ponto de Acesso: Revista do Instituto de Ciência de Informação da UFBA, Salvador, v. 3, n. 1, p. 72-81, abr. 2009. Disponível em: http://www.portalseer.ufba.br/index.php/revistaici/article/view/3314/2424. Acesso em: 10 abr. 2020.

INTERNATIONAL CENTRE FOR THE STUDY OF THE PRESERVATION AND RESTORATION OF CULTURAL PROPERTY (ICCROM); CANADIAN CONSERVATION INSTITUTE (CCI). Guia de Gestão de Riscos para o Patrimônio Museológico. Co criação de Pedersoli Jr., José Luiz; Antomarchi, Catherine; Michalski, Stefan. Tradução: José Luiz Pedersoli Jr. Roma: ICCROM, 2017. 122 p. Disponível em: https://www.iccrom.org/sites/default/files/2018-01/guia_de_gestao_de_riscos_pt.pdf. Acesso em: 23 abr. 2020.

MARTINS, Wilson. A Palavra escrita: história do livro, da imprensa e da biblioteca. 3. ed. São Paulo: Ática, 1998.

MASTROENI, Marco Fabio. Biossegurança aplicada a laboratórios e serviços de saúde. 2. ed. São Paulo: Atheneu, 2006.

SANTANA, Rogério. Biossegurança em Biblioteconomia: uma abordagem para conservação de acervos, profissionais e usuários em bibliotecas. 2014. 112 f. Trabalho de conclusão de curso (Bacharelado em Biblioteconomia) – Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014. Disponível em: http://www2.unirio.br/unirio/cchs/eb/TCCROGERIOSANTANA19DEZ2014.pdf. Acesso em: 30 jun. 2020.

SPINELLI JÚNIOR, Jayme. Conservação de acervos bibliográficos e documentais. Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional, 1997.

SOUTO, Clivea de Farias. Bibliotecas universitárias: sua função social enquanto lugar de memória. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS,19., 2016, Manaus. Anais eletrônicos ... Manaus : UFAM, 2016. Disponível em: http://periodicos.ufam.edu.br/anaissnbu/article/view/3200. Acesso em: 14 jul. 2020.
Publicado
26-11-2020
Como Citar
DIAS, M. Biblioteca Universitária inserida em contexto hospitalar. REVISTA ELETRÔNICA DA ABDF, v. 4, n. Especial, p. 205-222, 26 nov. 2020.