O Livreiro indica: A biblioteca mágica de Bibbi Bokken

Escrito por 

 

Nils e Berit são dois primos que vivem na Noruega. Após passarem as férias na cidadezinha do interior onde Berit mora, Nils tem de voltar a Oslo, para o reinício das aulas. Como forma de manterem contato, decidem comprar um caderno, no qual escreverão cartas e enviarão um ao outro. Ao comprar o caderno, Nils encontra uma mulher estranha – a tal Bibbi Bokken do título - que se oferece para pagar a conta.

Intrigada, Berit resolve investigá-la, e percebe a estranha fascinação da senhora pelos livros. Não bastasse isso, há um misterioso sebo em Roma e... um homem que coleciona livros não escritos!

A partir dessas premissas, os autores Jostein Gaarder e Klaus Hagerup desenvolvem um enredo cativante, que levará os protagonistas a conhecer mais sobre a história dos livros e das bibliotecas, bem como o processamento e a catalogação dos livros. Tudo isso disfarçado de trama juvenil detetivesca.

Hagerup é poeta, autor infantil e diretor teatral. Já Gaarder é um autor consagrado, tendo cativado leitores em todo mundo com sua obra O Mundo de Sofia, em que a protagonista, por meio de misteriosas cartas recebidas, aprende a história da filosofia. É o tipo de autor que, embora escreva com uma linguagem simples, que permite e estimula a leitura dos mais jovens, encanta também os adultos com os temas e reflexões de seus livros.

A biblioteca mágica de Bibbi Bokken é um livro ideal para apresentar a quem não conhece, de maneira lúdica, os primeiros passos no mundo do livro. Aos bibliotecários mais experientes e experimentados, vale a leitura pela delícia de redescobrir o gosto pela área, aquela fascinação mais autêntica, antes de se preocupar com vestibulares, concursos ou rotinas diárias.

 

A biblioteca mágina de Bibbi Bokken
Editora: Companhia das Letras
Edição original: 2003
Preço: R$ 24,90
 Daniel Guilarducci

Sobre o autor: Daniel Guillarducci é bibliotecário por formação, diplomata por profissão e escritor por vocação. Atualmente é Assessor da Divisão de Operações de Difusão Cultural do Itamaraty.

Mais nesta edição: « Entrevista Sagitta »